RETORNAR

 

 

 
   
 
Cecília de Souza Breves
Filha do rei do café. Casada com o comendador João Martins Cornélio dos Santos. Nascida em 1829 e falecida em 28 de novembro de 1902.
 
  Comendador João Martins Cornélio dos Santos. Coleção Provedores Santa Casa de Misericórdia. Rio de Janeiro. RJ.
 
     
 
    Os Breves Cornélio dos Santos  
   

                                                                                                                 

 
 

Cecília de Souza Breves, filha do "rei do café" - o Comendador Joaquim José de Souza Breves e Dona Maria Isabel de Moraes Breves, casou-se com o Comendador João Martins Cornélio dos Santos, tiveram três filhas:  

  • Maria Isabel Breves Cornélio dos Santos casada com João Batista de Castro, 

  • Cornélia Isabel Breves Cornélio dos Santos casada com José Rodrigues Peixoto, 

  • Maria Eugênia Breves Cornélio dos Santos casada com Amadeu José Gonçalves, conde de Araguaia, agraciado pela Santa Sé, nascido em Paris, filho do Visconde de Araguaia.

O comendador João Martins Cornélio dos Santos era natural de Cunha, descendente de antigos pioneiros paulistas radicados em Guaratinguetá na província de São Paulo. Salvou-se da debâcle econômico-financeira dos Breves, porque diversificou os seus haveres, bem como suas atividades. Foi um dos homens mais ricos do seu tempo, fundador e diretor do Banco do Comércio, comissário de café, proprietário de inúmeros prédios de renda, bem localizados no centro comercial do Rio, grande acionista de diversas companhias e bancos, inclusive o do Brasil.

Em vinte e sete de agosto de 1873, D. Pedro II nomeou Cornélio dos Santos, Oficial da Ordem da Rosa, pelos relevantes serviços prestados à instrução pública, a diversos estabelecimentos de caridade da corte e por ocasião da epidemia de febre amarela.

De Cecília conta-se um fato pitoresco. Na velhice, entrevada, andando em cadeira de rodas, foi deixada por um instante, na calçada junto ao portão do casarão de sua residência. Estava com o braço estendido. Nesse momento passou um transeunte e lançou um óbolo na sua mão. A milionária que juntamente com o marido, distribuía a mão cheia de donativos e esmolas, recebia de um desconhecido apiedado um auxílio. Ironia do destino ...

Vicente Quesada diplomata argentino que esteve no Brasil por volta de 1880, descreveu as casas elegantes daquela época, que frequentou. Cita inclusive o solar Cornélio dos Santos como um dos mais suntuosos.

 
 
       
       
    © 1996/2013 — Todos os direitos reservados: BREVESCAFÉ - História do Café no Brasil Imperial  
    Aloysio Clemente M. I. de J. Breves Beiler. Rio de Janeiro, RJ.