Povoadores de São João Marcos e Rio Claro

Retornar

 
     
 

 
  São João Marcos, Rio Claro.  
 

Capítulo I - Título 6.

 
 

 

Fonte: Colégio Brasileiro de Genealogia. Artigos genealógicos. São João Marcos e Rio Claro - povoadores. http://www.cbg.org.br/arquivos_genealogicos.html

 

 
 

Povoadores de São João Marcos e Rio Claro
Província do Rio de Janeiro

Luiz Ascendino Dantas publicou, em 1936, uma importante obra dedicada aos estudos do povoamento dos Municípios de São João Marcos e Rio Claro, a qual traz como subtítulo “Genealogia da Família Portugal”. (1) Estamos diante de mais um valioso estudo genealógico, pioneiro na região, ao qual seguiram exemplo, alguns anos depois, José Botelho de Athayde, Itamar Bopp e Padre Reynato Breves, que se dedicaram aos estudos genealógicos das regiões vizinhas, completando assim a obra de Ascendino Dantas.
Logo na primeira parte do estudo, Ascendino Dantas apresenta uma lista com nomes dos primeiros sesmeiros daquela imensa região, relacionando alguns outros de grande importância para o estudo daquelas Vilas, na fronteira entre São Paulo e Rio de Janeiro.
Na texto que antecede à lista, recua às origens do desbravamento da região com o surgimento da necessidade de se abrir uma estrada ligando o Rio de Janeiro a São Paulo. Nos anos 20 do século XVIII, o Governador da Capitania de São Paulo, Antonio da Silva Caldeira Pimentel, informa ao rei de Portugal sobre a conveniência da abertura de uma estrada que, ligando aquelas Províncias, evitasse o risco da viagem pelo mar, devido à presença de piratas. Assegurava-se assim o transporte dos quintos de ouro.
O Rei D. João V, atendendo ao pedido de Pimentel, mandou como resposta, em 05.11.1728, uma carta ao governador da Capitania do Rio de Janeiro, Luiz Vahia de Mendonça, O Onça, na qual ordenava ao governador que fizesse no distrito de sua jurisdição a referida estrada. Respondeu-lhe o governador que não só já havia promovido a abertura daquela estrada como, para facilitar a sua construção, ordenou que fossem concedidas várias sesmarias ao longo dela, com a obrigação de os sesmeiros cultivarem a terra e ajudarem na nova empreitada.
Iniciou-se assim o povoamento dessas regiões, em grande parte por conta dos grandes proprietários das sesmarias, cuja relação segue abaixo, tomada da obra de Luiz Ascendino Dantas – apenas o nome do sesmeiro e a data de concessão , às quais acrescentamos pequenas notas.

Carlos Eduardo de Almeida Barata
Junho de 2008

PRIMEIROS POVOADORES DE TERRAS CONCEDIDAS POR SESMARIAS

Antônio de Souza Breves
1808

Nota: Tronco da Família Breves. Nascido em 1720, na Ilha de São Jorge, Açores – Portugal, e falecido a 31.12.1814, em São João Marcos, região do Vale do Paraíba Fluminense, do Estado do Rio de Janeiro. Foi sepultado na Igreja Matriz de São João Marcos. Estabeleceu-se na Província do Rio de Janeiro, e ficou conhecido como Antônio Cachoeira. Recebeu outra sesmaria no caminho velho das Boiadas, que vinha da Paraíba Nova (Resende), a 16.04.1784. Foi casado com Maria de Jesus Fernandes, natural de Santa Luiza da Ilha Terceira, Açores – Portugal, e falecida depois de 1814. Deixaram grande descendência.

Antonio Gonçalves Moraes
1808

Nota: Tronco da Família Gonçalves de Morais. Nascido em 1740, em Miranda D'Ouro [Vila Boa de Bragança]. Apelidado de Cabeça de Cuia – Foi um dos primeiros fundadores de São João Marcos. Casado a 15.02.1763, no Rio de Janeiro, com Rita Maria de Jesus Clara de Souza, nascida em 1750, em Itu, São Paulo, e falecida antes de 1799. Deixaram grande descendência. Foram pais de José Gonçalves de Morais, Barão de Piraí com honras de grandeza, por decreto de 15.11.1846.

João Gonçalves de Moraes

1813

Victoriano da Silva Figueiras

1814

Nota: Nascido em 1778, em Cunha, São Paulo, e falecido a 11.06.1843, na Fazenda Piraí, Arrozal, Piraí, RJ - Sesmeiro na região de São João Marcos - Rio Claro, em 1814. Filho de Antonio Figueira e de Bárbara Maria. Casado com Brites Clara de Souza Breves, nascido em 1789, em Piraí, no Rio de Janeiro, e falecida a 24.10.1866, em Piraí, no Rio de Janeiro, filha de José de Souza Breves, e neto de Antonio de Souza Breves (aqui citado). Com grande descendência.

José Gonçalves de Moraes  

1814

Nota:     Data de 28.01.1799 o requerimento do capitão da Companhia da capela de Santana da freguesia de São João Marcos do corpo de Cavalaria Auxiliar, José Gonçalves de Moraes, do qual é comandante o capitão Henrique Vicente Lousada de Magalhães, à rainha D. Maria I, solicitando confirmação da carta patente no posto que vagou por baixa de seu pai Antônio Gonçalves de Moraes.
Nascido em 1776, em São João Marcos, RJ, e falecido a 10.10.1859, em sua Fazenda de Três Saltos, na Freguesia do Arrozal, pertencente a Piraí. Sepultado  no Cemitério da Irmandade do S.Sacramento, em Piraí. Recebeu uma sesmaria em 1808 e outra em 1814. Foi agraciado, sucessivamente, com o título de Barão de Piraí (18.07.1841) e Barão de Piraí com honras de grandeza (15.11.1846).
Filho de Antonio Gonçalves de Morais (aqui citado) e de Rita Maria de Jesus Clara de Souza. Casado a 08.06.1799, na Matriz de Nossa Senhora da Conceição do Campo Alegre [Resende, 1.º], com Cecília Pimenta de Almeida Breves, nascida a 19.03.1781, em São João Marcos, RJ, e falecida a 06.06.1866, na Fazenda Três Saltos, Piraí, RJ - Sepultada na catacumba n.º 321 da Irmandade do SS. Sacramento de Sant'ana do Piraí. Foi apelidada de vovó Gangá. Deixou grande descendência.

José de Souza Breves
1819

Nota: Data de 28.09.1787 o requerimento de José de Sousa Breves à rainha D. Maria I, solicitando confirmação de sua carta de sesmaria de meia légua de terra entre as freguesias de Campo Alegre e São João Marcos.  Em 20.12.1804, o capitão da Nova Companhia de Cavalaria Auxiliar do distrito do rio Pirai da freguesia de Campo Alegre, José de Sousa Breves, por seu procurador Manoel Rebelo Coelho, do qual é mestre-de-campo Inácio de Andrade Souto Maior Rondon, solicita confirmação de patente ao príncipe regente D. João.
Nascido a 02.02.1748, na Freguesia de Santa Luiza da Ilha Terceira, e falecido a 08.01.1845, na Freguesia do Arrozal, Piraí - segundo o óbito, aos 93 anos de idade, 11 meses e 25 dias [o que o daria por nascido em 1751, o que entra em desacordo com as anotações feitas por Armando Breves, coletadas em um pedaço de mármore do Cemitério de Arrozal]. Veio para o Brasil em companhia de seus pais, com apenas dois anos de idade, no ano de 1750. Filho de Antonio de Souza Breves (aqui citado) e de Maria de Jesus Fernandes. Casado a 27.01.1777¸ em Resende, RJ, com Maria Pimenta de Almeida Frazão, natural de Itaguaí – RJ, e falecida a 24.08.1843, na idade de 75 anos. Com grande geração. 

José Gonçalves de Moraes Filho
1823

Nota: Filho de outro José Gonçalves de Morais (aqui citado) e de Cecília Pimenta de Almeida Breves. Casado com Francisca de Souza Breves, procedente de família de povoadores na mesma região.

 

 
     
     
 

© 1996/2010 — Todos os direitos reservados: Aloysio Clemente M. I. de J. Breves Beiler
História do Café no Brasil Imperial - http://www.brevescafe.xpg.com.br - Rio de Janeiro, RJ.