Na região dos Breves

Retornar

 
     
   
  Mas a grandeza de Mangaratiba não foi só como elemento produtor, mas como porto de embarque de café. Por uma questão de maior conveniência, este porto não era propriamente na enseada da vila, mas um pouco acima, no Saco de Mangaratiba, onde se estabeleceu o centro comercial da vila. Ali se apinhavam sacas e sacas de café que as tropas conduziam pela estrada abaixo e enchiam trapiches, até serem conduzidas para as barcaças e para os dois navios "Marambaia e Januária", do muito famoso e temível Comendador Joaquim José de Souza Breves. Porto tributário de vasta zona cafeeira, exportando mais de um milhão de arrobas de café, Mangaratiba teve dias de invejável prosperidade e um redemoinho de negócios agitava as cabeças que se moviam naquele ar quente com o cheiro resinoso do café em grão.

São João Marcos. Antiga residência do Capitão-mór José de Souza Breves.

   
 
     
   
     
 

© 1996/2010 — Todos os direitos reservados: Aloysio Clemente M. I. de J. Breves Beiler
História do Café no Brasil Imperial -
http://www.brevescafe.xpg.com.br - Rio de Janeiro, RJ.